janela azul

uma janela para o azul outra para o céu. uma janela para ver, ou esquecer. uma janela para sentir, refletir, pensar. uma janela para criar, falar, e ouvir. uma janela para o asfalto, para o sábado. uma janela de domingo, para o assalto. uma janela para o elevado, ou embaixo. uma janela que não pode ser aberta foi doada. adoecida por permanecer fechada.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.

 

 

 

.

 

 

 

.

 

 

 

a vida dentro do cubo

uma janela a cinco metros de seu cano de descarga.

o gás escurece os vidros, estremece, envelhece.

 

 

Posted in Giganto PROAC - 2009, minhocão, photography, poesia, raquel brust.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>