procura-se janelas

Canção da janela aberta

Passa nuvem, passa estrela,

Passa a lua na janela…

Sem mais cuidados na terra,

Preguei meus olhos no Céu.

E o meu quarto, pela noite

Imensa e triste, navega…

Deito-me ao fundo do barco,

Sob os silêncios do Céu.

Adeus, Cidade Maldita,

Que lá se vai o teu Poeta.

Adeus para sempre, Amigos…

Vou sepultar-me no Céu!

Escrevo diante da janela aberta.

Minha caneta é cor das venezianas:

Verde!… E que leves, lindas filigranas

Desenha o sol na página deserta!

Não sei que paisagista doidivanas

Mistura os tons… acerta… desacerta…

Sempre em busca de nova descoberta,

Vai colorindo as horas cotidianas…

Jogos da luz dançando na folhagem!

Do que eu ia escrever até me esqueço…

Pra que pensar?

Também sou da paisagem…


Mário Quintana

conterrâneo:

.

______DOE SUA JANELA PARA O PROJETO GIGANTO

>>>   >>>>               projetogiganto@gmail.com

.

Posted in Giganto PROAC - 2009, projeto giganto.

One Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>