o fim da imagem


.


.

um dia perderemos nossa imagem. ela não nos pertence. aquilo que pensamos ser se corrompe com o passar dos anos. que o belo seja louvado. seríamos descartáveis a espera da ação indiscutível do tempo? teu olhar na terra me basta. corpos deteriorando nas intempéries. o fruto do teu ventre. teu rosto de fortes traços enterrados em pedra.venha a nós. frágeis como papel na chuva. na terra como no céu. a espera do fim do filme. amém

 

Posted in Giganto Paraty em Foco, photography.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>